30 de março de 2021

Operação conjunta entre Polícias Civis do Distrito Federal e de Goiás prendem suspeitos de integrar associação criminosa em Catalão

Uma organização criminosa especializada em clonar veículos de luxo é alvo de operação da Coordenação de Repressão a Crimes Patrimonais (Corpatri) nas primeiras horas desta terça-feira (30/3). Investigadores da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos (DRFV) cumprem nove mandados de prisão preventiva e 13 de busca e apreensão nas regiões de Santa Maria e nos municípios de Novo Gama e Luziânia, no Entorno do DF, além de Catalão, em Goiás.

Até as 6h30, sete pessoas haviam sido presas. Durante as buscas, os policiais localizaram R$5,5 mil reais, $ 16,4 mil (pesos argentinos), US$ 34 e uma arma. Também apreenderam caminhonetes, como S 10, Hilux e Honda HRV.

apreensão PCDF localizou arma e dinheiro com os investigados

De acordo com as investigações, iniciadas em setembro do ano passado, o bando tem ramificações em Goiás e especializou-se na receptação e adulteração de sinais identificadores de veículos, assim como na falsificação de documentos públicos. Segundo as apurações, o líder do grupo criminoso adquiria e receptava veículos furtados e roubados, escondendo-os para que seus comparsas adulterassem os números de chassi, vidros, motor e placas.

Os criminosos também emitiam documentação falsa (CRLV). Com a clonagem finalizada, o carro era anunciado a uma rede de receptadores que sabia da procedência ilícita. As investigações mostraram que a maioria dos veículos mais novos e caros, como utilitários e esportivos, era vendido e adulterados para receptadores específicos. Automóveis mais baratos costumavam ter suas peças desmontadas para abastecimento de uma rede clandestina de receptação de peças.

Desde 2018, a Corpatri tem informações a respeito das atividades ilícitas estabelecidas pelo líder da organização criminosa, conhecido por ser um grande intermediário de carros furtados e roubados no DF. “Os integrantes desse grupo são velhos conhecidos, tendo sido investigados e presos pela DRRFV, entre os anos de 2013 e 2015 pelos mesmos crimes”, explicou o coordenador da Corpatri, delegado André Leite.

O nome da operação, “Rosso Corsa”, que significa “vermelho corrida” em italiano, faz referência à cor da motocicleta italiana Ducati, um dos veículos clonados pelos criminosos, a qual foi recuperada durante as investigações.

Delegado do Genarc de Catalão Fernando Maciel.

 

 

 

 

Fonte: Metrópolis.Com