4 de julho de 2020

A farsa do Hospital Materno Infantil

O Hospital Materno Infantil de Catalão foi reinaugurado e deveria ser um Hospital de Campanha, mas não é isso que está acontecendo. Trata-se de uma estrutura intermediária, sem UTI e que só servirá para um primeiro atendimento a quem tem sintomas da Covid-19
Conforme o próprio secretário de Saúde, Velomar Rios, faltam profissionais de saúde e até auxiliar de serviços gerais.
Enquanto isso, hospitais da região já estão superlotados, faltam anestésicos e sedativos, o que impede as pessoas de serem entubadas, levando esses pacientes a óbito. O Hospital de Campanha de Catalão, que deveria ser a garantia de vida para muitos contaminados pelo novo coronavírus, vai funcionar apenas como uma primeira entrada para casos sintomáticos.  Resumindo: quem precisar de UTI e respiradores vai ter que contar com a providência divina para encontrar uma vaga e salvar sua própria vida. O secretário não consegue esclarecer por que o Materno Infantil foi reinaugurado, mas não está aberto. Gestantes e mães ainda não têm acesso ao local e devem ir ao Centro Integrado da Mulher.
Há um mês começaram as visitas de vereadores nas unidades. Foram encontradas diversas irregularidades que mostram o número de leitos menor do que o prometido, além da falta respiradores. Ainda conforme o secretário de Saúde, foram gastos R$ 1,2 milhão na reforma do Materno Infantil, dinheiro que, até agora, não serviu para salvar nenhuma vida.
Ainda conforme os apontamentos dos vereadores, existem apenas 12 leitos do SUS. Catalão já contabiliza seis mortes por Covid-19 e mais três casos estão sob investigação. O número de contaminados está aumentando e a Prefeitura de Catalão fecha os olhos para essa tragédia.