28 de fevereiro de 2020

MP-GO recomenda que não sejam disputadas partidas no Goianão 2020 no estádio Genervino da Fonseca em Catalão

 


O Ministério Público de Goiás (MP-GO), por meio do Grupo de Atuação Especial em Grandes Eventos (GFUT), recomendou à Federação Goiana de Futebol (FGF) que não sejam disputadas partidas no Goianão 2020 nos estádios Genervino da Fonseca (em Catalão, casa do Crac), Amintas de Freitas (em Jaraguá) e Valdeir José de Oliveira (Goianésia) até que sejam apresentados laudos conclusivos de Engenharia.

Segundo o MP-GO, os laudos dos três estádios apresentados não apresentaram parecer conclusivo a respeito dos itens: engenharia civil, engenharia elétrica, acessibilidade e conforto. Apesar de todos estarem válidos, o MP-GO entende que são necessários os laudos conclusivos para que os espaços recebam torcedores com segurança.

“Vamos cumprir. A Federação recebeu a recomendação hoje (quinta) e encaminhou para o jurídico e para os clubes para tomarem providências. O principal é o Goianésia, que tem jogo neste fim de semana. Vamos ver se resolve o Goianésia até amanhã (sexta)”, afirmou André Pitta, presidente da FGF, referindo-se à partida do Azulão do Vale contra o Goiânia, domingo (1º de março).

Os clubes estão envolvidos diretamente na luta pela classificação à fase eliminatória do Goianão 2020. O Jaraguá é o líder da 1ª fase com 16 pontos, o Goianésia aparece na 3ª colocação com 14 pontos e o Crac é o 6º colocado com 9 pontos. São oito jogos previstos para serem disputados até o final da fase de grupos do Estadual: dois do Gavião da Serra e três, cada, do Leão do Sul e Azulão do Vale.

Na recomendação, o MP-GO explica que em no dia 1º de junho de 2012 foi acertado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre a entidade, Crac e o município de Catalão para adequações das instalações físicas do Estádio Genervino da Fonseca, o que não foi feito pelos responsáveis no período.

Os laudos de vistoria de Engenharia estão com validades em dia: Catalão (válido até 16 de janeiro de 2021), Jaraguá (16 de janeiro de 2023) e Goianésia (18 de julho de 2018), mas não tiveram parecer conclusivos para o MP-GO.

 

Fonte : O Popular