A prisão foi feita na tarde desta quinta-feira (10) pela Polícia Civil. O delegado responsável pelo caso, Vitor Magalhães, informou que o homem confessou o crime e disse que teria feito um acordo com a ex-companheira no dia da separação. O suspeito alega que nem ele nem a ex poderiam se relacionar com ninguém e ela teria “quebrado” esse acordo.

Na noite de terça-feira (8), o homem foi até uma residência no bairro Vila Nova e “castigou” a ex-companheiro com vários disparos de arma de fogo. Um dos projéteis atravessou o braço e se alojou no pulmão. A vítima não morreu por que foi socorrida por parentes e levada à Santa Casa de Catalão, onde permanece internada e não corre risco de morte.

O homem foi preso por tentativa de homicídio e deve configurar Maria da Penha. Ele já está na cadeia de Catalão e pode ser condenado a 20 anos de cadeia, com agravantes dispostos no artigo 14 da Lei Maria da Penha, crime doloso contra a vida – homicídio tentado – em que o suspeito tinha a intenção de matar, por motivos fúteis e pelo crime ter sido premeditado.

Ele não aceitava o fim do relacionamento e, segundo familiares da vítima, o suspeito a perseguia e fazia ameaças constantes.